Protesto interrompe trânsito de caminhões que descumprem decreto

Durante a mobilização, o trânsito ficou completamente interrompido para caminhões

Fluxo de caminhões com carga pesada na rodovia Alcino Freitas, entre Maracajá e Araranguá, foi paralisado por moradores da localidade de Encruzo do Barro Vermelho, em Maracajá

Maracajá

Araranguá

O fluxo de caminhões com carga pesada na rodovia Alcino Freitas, entre Maracajá e Araranguá, foi paralisado na tarde de quarta-feira, dia 18, por moradores da localidade de Encruzo do Barro Vermelho, zona rural de Maracajá. O trecho dá acesso à BR-101 e está em processo de asfaltamento.

Durante a mobilização, o trânsito ficou completamente interrompido para caminhões, que costumam transportar minérios originados no distrito de Hercílio Luz, em Araranguá. Muitos motoristas desviaram do protesto através de estradas alternativas. Porém, tanto na Alcino Freitas quanto em outras vias vicinais em Maracajá, o trânsito de caminhões de carga pesada é proibido por decreto.

Alguns dos moradores comentaram que o protesto se deu pela ausência de comprometimento das empresas mineradoras e de transporte, que se posicionaram com pouca preocupação com os efeitos do intenso fluxo de veículos pesados na localidade. O estopim da mobilização foi uma reunião realizada na tarde de segunda-feira em Maracajá, onde as empresas não demonstraram interesse em resolver a situação. Na sessão noturna da Câmara de Vereadores de Araranguá, o assunto foi tratado de outra forma, dando a entender que, para atender aos interesses dos araranguaenses, o decreto que impede o tráfego dos caminhões seria derrubado.

Trânsito ilegal

Segundo decreto municipal de Maracajá, o tráfego de veículos com mais de 10 toneladas é proibido no acesso ao Encruzo do Barro Vermelho e Angelino Acordi, nas rodovias Alcino de Freitas e José Jovelino Costa. Há exceções previstas no decreto, porém, mesmo sob multa, as transportadoras desrespeitam a lei.

Uma reunião foi promovida na Prefeitura de Maracajá, com transportadores, autoridades municipais, sindicato dos motoristas e moradores impactados na manhã de segunda-feira. A proposta era buscar alternativas para que a atividade econômica não fosse prejudicada, mas o bem-estar das comunidades e o patrimônio público fossem preservados.

Mesmo assim, com o posicionamento das empresas e dos vereadores de Araranguá, os moradores decidiram se manifestar.

Novo protesto

Uma Passeata pela Preservação está sendo planejada para o próximo sábado, dia 21. O objetivo, segundo as organizadoras, é atrair pessoas de outras localidades para a mobilização, e assim, mostrar a empresas e poder público que a população está unida para preservar o asfalto novo da via e ainda manter o bem-estar dos moradores. “Se as outras comunidades virem ajudar a gente, vamos ajudar as outras comunidades em questões que elas também vão precisar. Lutamos pela união. Se as pessoas não se mobilizarem, nada acontece”, diz Janaina Brum Candido Warmling, que com Gislaine Bristot Farias, Josiani Fernandes de Oliveira Warmling, Silvana e Rosane estão organizando a mobilização. Os participantes são orientados a irem de máscara e vestindo preto, e deverão sair da divisa entre Araranguá com Maracajá, indo até a frente da igreja da comunidade do Encruzo. A concentração começará às 6 horas da manhã.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui