Depois de sete anos, Progressistas volta ao comando do legislativo de Sombrio através de Fernando Pereira

Rolando Christian Coelho, 24/12/2019

Progressistas de Sombrio chegou a um acordo e conseguiu estabelecer entendimento para o comando da Mesa Diretora da Câmara Municipal de Vereadores no ano de 2020, em eleição ocorrida ontem à noite. O partido, que tem sete, dos onze vereadores do legislativo sombriense, decidiu dividir em três períodos, de quatro meses cada, o comando da Câmara ano que vem. Para dar início a este rodízio, foi eleito para o primeiro destes três períodos o vereador Fernando da Silva Pereira como presidente.

Em abril, Fernando deverá renunciar, para que seja eleito presidente o vereador Peri Soares, ou o vereador Vilmar Daminelli, para um outro período de quatro meses. A escolha entre um e outro está condicionada a possibilidade de Peri ser ou não candidato a prefeito ano que vem. Se for candidato, ele assume a presidência no mês de maio, ficando até o final de agosto. Caso não seja candidato, assumirá em setembro. Todos estes acertos, por óbvio, passam pela manutenção da unidade do Progressistas, que precisa assegurar a coesão de pelo menos seis de seus sete vereadores.

Também integrante da bancada de oposição, o vereador Nano Freitas, do PSD, que mantinha um projeto autônomo de candidatura à presidência, retirou seu nome do processo, o que facilitou o entendimento da coligação. Na chapa que foi eleita, por unanimidade, além de Fernando como presidente, também foram eleitos Peri Soares como vice, Nano como primeiro secretário e Dizo Colares como segundo secretário. Já o vereador Edson Porrok como escolhido para ser o líder do Progressistas durante 2020.

A tendência natural, a partir de janeiro, é que a administração municipal, comandada pelo prefeito Zênio Cardoso (MDB), tenha bem mais dificuldade de relacionamento com a Câmara de Vereadores, do que vinha tendo ao longo dos últimos dois meses, desde que seis vereadores de situação foram afastados de suas funções pelo Tribunal Superior Eleitoral, por suposta fraude eleitoral no pleito de 2016. Desde então, a Câmara vinha sendo comandada pelo vereador Marcello Areão (PT), eleito pela oposição, mas figura cativa de Zênio. Já a partir de janeiro, a oposição passará a ser nua e crua.

Progressistas foi cauteloso em sua escolha

O Progressistas de Sombrio tomou o cuidado de eleger como presidente da Câmara Municipal um vereador eleito de forma direta no pleito de 2016, o que é o caso de Fernando da Silva Pereira. Se o partido tivesse optado por eleger como presidente um dos vereadores que estão exercendo mandato por conta do afastamento dos seis vereadores de situação, a sigla conviveria com uma sombra até o final do ano que vem. É que o processo dos vereadores afastados ainda não foi julgado pelo pleno do Tribunal Superior Eleitoral. Se os afastados voltarem, os beneficiados que estão em seus lugares terão que deixar a Câmara. Se um deles estivesse na presidência, seria necessário nova eleição para o comando da Mesa Diretora.

Zé Milton acredita que governo de Carlos Moisés andará em 2020

Deputado estadual José Milton Scheffer (PP) acredita que gestão do governador Carlos Moisés da Silva (PSL) poderá deslanchar a partir do ano que vem. De acordo com ele, o governo vem propondo uma série de remanejamentos orçamentários, que poderão abrir linhas de crédito para a contratação de empréstimos por parte do governo catarinense, principalmente para o fomento do setor de infraestrutura. “A primeira ação, que era o enxugamento da máquina administrativa, tão defendida por nós, já foi colocada em prática. Agora é encontrar o equilíbrio das contas públicas para que se possa fazer investimentos, geralmente feitos através de empréstimos de médio prazo. Para isto é preciso ter crédito. Para ter crédito, é preciso estar com as finanças em dia”, comenta Zé Milton, ressaltando que o governo está muito próximo disto.

Provento do governador é só de R$ 41.589,18

Redes sociais foram tomadas por postagens dando conta de que o governador Carlos Moisés da Silva (PSL) recebe R$ 83.179,36 por mês. Oposição foi para cima e situação tentou defendê-lo o que deu. Na verdade Carlos Moisés recebe somente metade disto. O valor que foi divulgado está acrescido do décimo terceiro salário, pago, obviamente, no mês de dezembro, tanto como governador, quanto como coronel da reserva do Corpo de Bombeiros. Como governador, ele recebe um salário líquido mensal de R$ 15 mil. Como coronel da reserva, recebe outros 26.589,18. Sendo assim, seu salário é meramente de R$ 41.589,18, não de R$ 83.179,36. Como se vê, tem gente que faz fofoca por coisa pouca.

PSL está apostando em vários nomes em Criciúma

Fonte ligada ao deputado estadual Rodrigo Minotto (PDT) ressalta que governador Carlos Moisés da Silva (PSL) conversou com o parlamentar a respeito de um possível apoio ao brizolista, numa eventual candidatura sua à Prefeitura de Criciúma. Vale lembra que Carlos Moisés e o deputado estadual Luiz Fernando Vampiro (MDB) são muito próximos, e o emedebista também tem sido pressionado por seu partido para concorrer ao executivo criciumense ano que vem. Paralelo a isto, integrantes da cúpula do PSL estadual vêm conversando com o ex-deputado federal Jorge Boeira (PP), buscando o estreitamente de laços com ele, para a disputa em Criciúma. Pelo andar da carruagem, vai sobrar palanque para que o governador Carlos Moisés suba ano que vem no maior município do Sul do Estado.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui